Pensée

Falar de amor... é deixar o amor falar.

Textos


Soneto da despedida (2ª versão)


Do corpo farto de tanto abandono
Despede-se a libido pesarosa
E veste de luto a alma desgostosa
Chorando carnes, abdicando dono.

E, no seu corpo, já talhado a outono;
De voz sumida e muito vagarosa;
Apetece-lhe assobiar dengosa
Pelas noites ardentes e sem sono.

Correndo ligeiro, desertou o tempo
De emoções a dois, fortes, indecentes
Não aceitando, já, qualquer contratempo.

Das vontades e desejos urgentes
Viuvaram carnes sem passatempo…
Luto semelhante ao de outras gentes.

Lucibei@poems
Lúcia Ribeiro
In "Sonetando"  Modocromia Editora
In “Encontro de Poetas da Nossa Escola”
AAETEC 24/01/2007
 




 
 

Lucibei
Enviado por Lucibei em 07/12/2016
Alterado em 19/01/2022
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras